terça-feira, dezembro 06, 2011

I wonder what you think when you see me. Or hear my name.


  "Foi o cadáver envolto num lençol, e transportado ao convés.
   Mariana seguiu-o.
   Do porão da nau foi trazida uma pedra, que um marujo lhe atou às pernas com um pedaço de cabo. O comandante contemplava a cena triste com os olhos húmidos, e os soldados que guarneciam a nau, tão funeral respeito os impressionara, que insensivelmente se descobriram.
   Mariana estava, no entanto, encostada ao flanco da nau, e parecia estupidamente encarar aqueles empuxões que o marujo dava ao cadáver, para segurar a pedra na cintura.
   Dois homens ergueram o morto ao alto sobre a amurada. Deram-lhe o balanço suficiente para o arremessarem longe. E, antes que o baque do cadáver se fizesse ouvir na água, todos viram, e ninguém já pôde segurar Mariana, que se atirava ao mar.
   À voz do comandante desamarraram rapidamente o bote, e saltaram homens para salvar Mariana.
   Salvá-la!...
   Viram-na, um momento, bracejar, não para resistir à morte, mas para abraçar-se ao cadáver de Simão, que uma onda lhe atirou aos braços. O comandante olhou para o sítio donde Mariana se atirara, e viu, enleado no cordame, o avental, e à flor da água, um rolo de papéis, que os marujos recolheram na lancha. Eram, como sabem, a correspondência de Teresa e Simão."


in Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco


"Don't give me Love, I've had my share"

Um comentário:

Maria Inês Rodrigues disse...

Adorei, óbvio que sigo :D
Simples , mas fantástico :D
Gostava muito que desses a tua opinião em relação ao meu http://voltar-ao-inicio.blogspot.com/ e se gostasses, seguisses, era óptimo :b
Beijinhoooos :D