quarta-feira, novembro 30, 2011

Good intentions, bad decisions.

"Tardávamos diante das palavras, como se os olhos
fossem cegar sobre as páginas que não acabávamos
de ler só para fazer durar o engano, o livro, o tempo
de todas as leituras. Guardávamos silêncio

à cabeceira. E cruzávamos de noite os dedos
à procura da luz que emanasse de um seio, da onda
do cabelo sobre a orelha, dos ombros, da cintura,
do começo dos lábios. Normalmente, achávamos apenas
a sombra da roupa na curva dos joelhos, a penumbra
entre os nossos corpos quietos e deitados.

É nas linhas das mãos que os deuses escrevem
os mais belos romances. Nas nossas, porém, somente
elaboraram um divertimento, um esboço, um rascunho,
nem sequer literatura."

"34", Maria do Rosário Pedreira, in A casa e  o cheiro dos  livros


"Chapter one again, here I go again. 
I found a fountain of youth and I fell in 
How could I ever win? I'll never learn"

sexta-feira, novembro 25, 2011

Now you're just somebody I used to know.



"Guardava alguns silêncios e também as coisas
que não dissera por acaso. Guardava agora também
esses acasos, brancos recados entre as palavras
que lhe sobravam nas gavetas. E ainda assim guardaria 
para sempre essas palavras, ou a imagem de lábios a 
dizê-las - um rosto ainda sem ser triste lembrando o verão.

Teria aguardado esse verão, o cheiro quente dos morangos
à beira dos dedos. E tê-lo-ia sobretudo guardado,
como guardava agora, sem nunca o ter ouvido, o som
das espigas, na planície, à passagem do vento.

Mas agora só podia aguardar a passagem do tempo
sem palavras; ou um vento de feição, um acaso
que tudo justificasse. E no silêncio em que se ia guardando
buscava apenas um lugar mais sereno para as memórias." 

Maria do Rosário Pedreira, in A casa e o cheiro dos livros.



"You sit there in your heartache waiting on some beautiful boy
To save you from your old ways. You play forgiveness
Watch it now- here he comes
He doesn't look a thing like Jesus, but he talks like a gentlemen
Like you imagined when you were young"

quinta-feira, novembro 24, 2011

I'm not heartless. I just learned how to use my heart less.


"Afasto as cortinas devagar; e, atrás dos vidros, acordo
o silêncio de um muro de granito onde já não se demora
a luz. Lembro-me sem querer de ti e convoco as memórias
de um quarto antigo para não repetir o que os livros
diriam sempre de outro modo. Contemplo a surda vegetação

da sombra, os pequenos animais à deriva, a noite rasgada
ao meio dos gumes da lua. Aguardo provavelmente o teu
 regresso, embora secretamente. Mas o que acode à janela

é uma impressão luminosa e fria que desfigura o olhar e
 dá das coisas apenas metades imperfeitas ou estilhaços
que lembram a arquitectura da poeira sobre as baías.

A sabedoria é um gomo amargo que se consome junto aos
lábios. Ainda que quisesse murmurar o teu nome, como
o sol a morder os pátios de manhã, calo-me para sempre.
Esqueço-me talvez de ti, embora secretamente."

Maria do Rosário Pedreira, in A Casa e o Cheiro dos Livros.





R.I.P. Jeff Buckley.

terça-feira, novembro 22, 2011

People will never stop disappointing you. To be happy, you have to learn how to forget.

"There are days when solitude is a heady wine that intoxicates you with freedom, others when it is a bitter tonic, and still others when it is a poison that makes you beat your head against the wall." 
(Colette)


"Antiga 
cantiga 
da amiga 
deixada. 

Musgo da piscina, 
de uma água tão fina, 
sobre a qual se inclina 
a lua exilada. 

Antiga 
cantiga 
da amiga 
chamada. 

Chegara tão perto! 
Mas tinha, decerto, 
seu rosto encoberto... 
Cantava — mais nada. 

Antiga 
cantiga 
da amiga 
chegada. 

Pérola caída 
na praia da vida: 
primeiro, perdida 
e depois — quebrada. 

Antiga 
cantiga 
da amiga 
calada. 

Partiu como vinha, 
leve, alta, sozinha, 
— giro de andorinha 
na mão da alvorada. 

Antiga 
cantiga 
da amiga 
deixada. "

"A amiga deixada", Cecília Meireles.



O triste realizar, que nunca poderemos ver este homem a cantar esta canção ao vivo.
Nem esta, nem outra qualquer. 
R.I.P. Jeff Buckley.

domingo, novembro 20, 2011

I hate that you seem perfectly fine without me.

"Your memory is a monster; you forget - it doesn’t. It simply files things away. It keeps things for you, or hides things from you - and summons them to your recall with will of its own. You think you have a memory; but it has you!" (John Irving)

"Basta-me um pequeno gesto, 
feito de longe e de leve, 
para que venhas comigo 
e eu para sempre te leve. . . 

— mas só esse eu não farei. 

Uma palavra caída 
das montanhas dos instantes 
desmancha todos os mares 
e une as terras mais distantes.. 

— palavra que não direi. 

Para que tu me adivinhes, 
entre os ventos taciturnos, 
apago meus pensamentos, 
ponho vestidos noturnos, 

— que amargamente inventei. 

E, enquanto não me descobres, 
os mundos vão navegando 
nos ares certos do tempo, 
até não se sabe quando... 

— e um dia me acabarei. "

"Timidez",  Cecília Meireles.



"Could I see it? - Did I hear it?
Maybe I should love less, maybe I should trust less
I don't love this - Loveless"

quarta-feira, novembro 16, 2011

Being sad with the right people is better than being happy with the wrong ones.







Definitivamente, uma das minhas canções favoritas.


Sim, é claro,
O Universo é negro, sobretudo de noite.
Mas eu sou como toda a gente,
Não tenha eu dores de dentes nem calos e as outras dores passam.
Com as outras dores fazem-se versos.
Com as que doem, grita-se.
A constituição íntima da poesia

Ajuda muito…
(Como analgésico serve para as dores da alma, que são fracas…)

Deixem-me dormir.

Álvaro de Campos.

domingo, novembro 13, 2011

There was a difference between what you said and what you did.



"Ninguém abra a sua porta 
para ver que aconteceu: 
saímos de braço dado, 
a noite escura mais eu. 

Ela não sabe o meu rumo, 
eu não lhe pergunto o seu: 
não posso perder mais nada, 
se o que houve já se perdeu. 

Vou pelo braço da noite, 
levando tudo que é meu: 
— a dor que os homens me deram, 
e a canção que Deus me deu." 

"Assovio", Cecília Meireles.



"Largaram-me a mil metros do chão,
Largaram-me porque me agarrei numa alucinação de vida
Que me enchia o coração
E que agora vejo perdida, num cair que já não sei"

sábado, novembro 12, 2011

Easy come, easy go.

Existe uma diferença abissal entre ultrapassar as nossas dores e, simplesmente, sobreviver às situações que nos marcam.




"Ouça um bom conselho que eu lhe dou de graça: inútil dormir que a dor não passa.
 Espere sentado ou você se cansa. Está provado, quem espera nunca alcança."

sexta-feira, novembro 11, 2011

I care(d).

Por mais que eu diga que a perda é dele, 
lá no fundo, 
eu sei que também é minha. 






"I'm becoming a monster, just like you
After it all you'll try to break me too
Falling forever, chasing dreams
I brought you to life so I can hear you scream"

quinta-feira, novembro 10, 2011

I am not interested in others, but I hate loneliness.



"Onde é que dói na minha vida, 
para que eu me sinta tão mal? 
quem foi que me deixou ferida 
de ferimento tão mortal? 

Eu parei diante da paisagem: 
e levava uma flor na mão. 
Eu parei diante da paisagem 
procurando um nome de imagem 
para dar à minha canção. 

Nunca existiu sonho tão puro 
como o da minha timidez. 
Nunca existiu sonho tão puro, 
nem também destino tão duro 
como o que para mim se fez. 

Estou caída num vale aberto, 
entre serras que não têm fim. 
Estou caída num vale aberto: 
nunca ninguém passará perto, 
nem terá notícias de mim. 

Eu sinto que não tarda a morte, 
e só há por mim esta flor; 
eu sinto que não tarda a morte 
e não sei como é que suporte 
tanta solidão sem pavor. 

E sofro mais ouvindo um rio 
que ao longe canta pelo chão, 
que deve ser límpido e frio, 
mas sem dó nem recordação, 
como a voz cujo murmúrio 
morrerá com o meu coração."


"Rimance", Cecília Meireles.


"And I am aware now of how everything’s gonna be fine one day
Too late, I’m in hell I am prepared now, seems everyone’s gonna be fine 
One day too late, just as well"

quarta-feira, novembro 09, 2011

How can I forgive you if I can't forget you?





"Cabecinha boa de menino triste, 
de menino triste que sofre sozinho, 
que sozinho sofre, — e resiste, 

Cabecinha boa de menino ausente, 
que de sofrer tanto se fez pensativo, 
e não sabe mais o que sente... 

Cabecinha boa de menino mudo 
que não teve nada, que não pediu nada, 
pelo medo de perder tudo. 

Cabecinha boa de menino santo 
que do alto se inclina sobre a água do mundo 
para mirar seu desencanto. 

Para ver passar numa onda lenta e fria 
a estrela perdida da felicidade 
que soube que não possuiria. "

"Criança", Cecília Meireles.



‎"Maybe I'm too young to keep good love from going wrong but tonight,
 you're on my mind so you never know"

terça-feira, novembro 08, 2011

I am the author of so many unwritten tales.



"Demorei-me muito tempo ao pé de ti.
As portas fechadas por dentro, como se encerrasses
o amor e a lei. Demorei-me demais. Ao fim da tarde, 
nesse mesmo dia que já morreu,
olhámo-nos devagar, mas distraídos. Diria até que anoiteceu.

Nunca falámos do amor que chega tarde.
Nem o interpelámos (como se já não pudesse
ter nome). Fingia ter esquecido o teu corpo
nas muralhas. Nas areias.

Vês aqui alguma figura? Ninguém vê.
Repara no ponto preto que alastra na margem do quadro,
nas minhas lágrimas desse tempo. Relê."

in "Modos de Música", de Luís  Filipe Castro Mendes.



"You're so cold, but you feel alive
Lay your hands on me one last time"

segunda-feira, novembro 07, 2011

You and I will always be unfinished business.


As I looked at all the relationships around me, some that had gone on forever, some that were reignited, and some that had just begun, I realized something: 
it should have been me.
(Narração do J.D., episódio "My cold shower")

"And I'll survive, paranoid, I have lost the will to change
And I'm not proud, cold-blooded fate, I will shut the world away"

domingo, novembro 06, 2011

I still blame myself for you abandoning me.

As pessoas dizem sempre que, quando se ama alguém, devemos deixá-lo partir:
 Se ele te amar de verdade, ele voltará.
Mas nunca te dizem o que fazer no caso de ele não regressar.


"All in all you're no good, you don't cry like you should
Let it go if you could, when love dies in the end"

sábado, novembro 05, 2011

The hardest part about walking away from you is knowing that you won't run after me.



"O que me dói não é o que há no coração
 mas essas coisas lindas que nunca existirão.
(Fernando Pessoa)
~

"Em cada esquina tem um bar, em cada copo uma vontade de sumir de vez daqui."

sexta-feira, novembro 04, 2011

Some people need a high five. In the face. With a chair.


"Sei lá! Sei lá!  Eu sei lá bem
Quem sou? Um fogo-fátuo, uma miragem  ...
Sou um reflexo ... um canto de paisagem
Ou apenas um cenário! Um vaivém

Como a sorte: hoje aqui, depois além!
Sei lá quem sou? Sei lá! Sou a roupagem
De  um doido que partiu numa romagem
E nunca mais voltou! Eu sei lá quem! ...

Sou um verme e que um dia quis ser astro ...
Uma estátua trancada de alabastro...
Uma chaga sangrenta do Senhor ...

Sei lá quem sou! Sei lá! Cumprindo as fadas,
Num mundo de maldades  e pecados,
Sou mais um mau, sou mais um pecador ..."

"Minha culpa"  de Florbela Espanca.




quinta-feira, novembro 03, 2011

I wasn't born with enough middle fingers!


“I could not become anything; neither good nor bad; neither a scoundrel nor an honest man; neither a hero nor an insect. And now I am eking out my days in my corner, taunting myself with the bitter and entirely useless consolation that an intelligent man cannot seriously become anything, that only a fool can become something.” 
(Fiodor Dostoevsky)

"You say goodbye, I say hello"

quarta-feira, novembro 02, 2011

I wait(ed) for you.


"What doesn't kill you only makes you wonder why the world won't let you die already."
(Kevin Miller)


"Eu esperei, mas o dia não se fez melhor,
e o sujo não se quis limpar, inventou mais flores ao meu redor
como se eu não fosse olhar!
Enfeitou as ruas para cobrir terra seca de não semear,
deram-me água turva a beber, dizem força cura e solução,
como seu eu não fosse olhar!"